Blog em obras

Isto está mais paradinho, eu sei,  mas não é por falta de posts ou inpiração. Estamos com uns problemas técnicos no blog, como por exemplo o “Read in English” que não funciona em vários posts ou algumas imagens/links que desapareceram e, por isso, prefiro não publicar nada até estar tudo arranjadinho. Entretanto, vou fabricando conteúdo cá no estaminé e continuo frequentadora assídua dos vossos blogs!

O Instagram, esse, funciona que é uma maravilha portanto podem sempre seguir lá!

Continue Reading

Banana & Greek Yogurt Muffins

Ler em Português
Read in English

Um dos objectivos de muita gente é adoptar um estilo de vida saudável. O problema é que, muitas vezes, as pessoas não estão dispostas a aderir a uma nova rotina e facilmente desistem.

Para vocês que se encaixam nesta categoria ou para os que já seguem no seu dia-a-dia um estilo de vida saudável – e porque me apetecia um lambarice sem quilos de açúcar e gordura – fiz estes muffins com ingredientes simples, sem açúcares ou gorduras adicionados. Porque fazer “dieta” não é complicado, basta escolher alimentos o mais simples possível e nutritivos.

Ingredientes:

  • 225gr de iogurte grego sem gordura
  • 160gr de farinha integral
  • 2 ovos
  • 2 bananas esmagadas
  • 50gr de Swerve (ou Stevia)
  • 1,5c.sopa de fermento
  • pepitas de chocolate preto qb

Preparação:

  • Juntar todos os ingredientes excepto o chocolate e bater até estar homogéneo
  • Adicionar o chocolate (opcional)
  • Distribuir pelas formas e levar ao forno a 200º durante 15, 20min.

 

Super fácil e fazem-se num instantinho, dêm-lhes uma tentativa e digam-me lá se comer saudável não é fácil… e simples!

Continue Reading

TAG – Xmas

Ler em Português
Read in English

Já devem estar fartinhos de ver esta TAG por aí mas eu não podia deixar de participar uma vez que a Sofia, do Crónicas de Salto Alto, me nomeou – obrigadooooo!

O meu filme de Natal preferido: bem, não ligo nenhuma a esta secção de filmes mas diria o Sozinho em Casa por ser aquele filme obrigatório e que todos vimos quando éramos mais novos.

Onde costumas passar o Natal: quando viva em Portugal, passávamos nos meu avós mas desde que emigrei que fazemos uma coisa pequenina só para nós os dois.

Qual é a tua música de Natal favorita: “Baby it’s cold outside”, das milhentas músicas que passam nesta altura, esta soa-me sempre bem.

Abres os presentes na véspera de Natal: sim, sempre abrimos os presentes na véspera.

Por que tradição estás mais ansiosa este Natal: É a primeira vez que vou estar a celebrar o Natal umas horas depois da restante família pois estar a viver nos Estados Unidos tem destas coisas engraçadas.

Tens uma árvore de Natal verdadeira ou falsa: sendo os preços das artificias super inflacionados, não sei porquê, este ano, pela primeira vez, compramos uma árvore verdadeira e devo dizer que se sempre fui meia contra pois achava-as um bocado feias, estou super fã e são muito giras.

Qual é o teu doce/comida favorita no Natal: só mesmo o Pão-de-ló e um bom queijinho.

Sê honesto, preferes dar ou receber presentes: prefiro dar mas acho super entusiasmante o desembrulhar portanto não me importo nada de receber.

Qual foi o melhor presente que recebeste: todos os presentes que o homem me dá. Primeiro porque ele é bom a escolher prendas e depois porque nunca faço ideia do que será e eu gosto que assim seja.

Qual é o teu lugar de sonho para visitar no Natal: Já passei muitos Natais no clima de Portugal, já passei mais uns quantos em Londres e, pela primeira vez, vou passar no Texas, portanto não me posso queixar! Muitos de vocês dizem Nova Iorque por causa da neve mas deixem que vos diga que a neve não é tão espectacular como mostra nos filmes. É bonito vê-la quando começa a nevar e pronto, só isso.

Momento mais memorável das férias de Natal: para ser sincera, nenhum. Nunca foi uma época que significasse muito para a minha família- somos uns tristes ahahhaha

Como é que soubeste a verdade sobre o Pai Natal: nem sequer me lembro se algum dia acreditei no Pai Natal.

És uma pro a embrulhar presentes ou um fail completo: Sou uma pro. Sempre tive jeito para as artes manuais e é sempre com muita dedicação que faço os embrulhos.

Não nomeio ninguém pois a maioria já foi nomeado e já publicou um post semelhante mas, se estão desse lado e ainda não partilharam as vossas respostas, sintam-se nomeados e bora participar!

Continue Reading

Job Interviews

Ler em Português
Read in English

Das primeiras coisas que fiz, assim que recebi o EAD, foi começar à procura de trabalho. Esta pesquisa focou-se, maioritariamente, em posições de teller ou lead teller em bancos – ou seja, balcão ou responsável dessa área – pois já havia exercido a primeira e sempre quis ser promovida para a seguinte.

Porque o mais importante para mim era mesmo arranjar trabalho, submeti umas quantas candidaturas para outras áreas para ver se dava qualquer coisa, nem que fosse só para desenrascar – que estar em casa não é assim tão espectacular como muita gente o faz parecer.

Comecei, finalmente, a receber emails e chamadas para comparecer em entrevistas. Fiz uma entrevista para a qual nunca recebi feedback, fui a duas entrevistas para dois bancos distintos e a uma para uma empresa em IT. A primeira foi num banco do qual só ouvia boas críticas, não só como sendo um bom sítio para trabalhar mas também um bom sítio para se ser cliente. Foi, então, super contente que me dirigi para a entrevista.

Esta foi feita, apenas, com uma representante dos Recursos Humanos que no dia seguinte me ligou a dizer que estava na próxima fase: uma entrevista com um dos managers.

Uns dias antes, reparei que havia uma vaga de Lead Teller no website e quando estava na entrevista com o manager disse-lhe que isso era o que gostava de fazer, embora estivesse a ser entrevistada para posição de Teller, ao que prontamente me respondeu “estás a ser entrevistada para qualquer posição”. Saí de lá com a oferta de Lead Teller e pronta para dar início a todos os background checks necessários – que viriam a ser uma dor de c* enorme pois a empresa não faz background checks internacionais.

Isto significa que eu mesma tive de pedir provas dos empregos anteriores no UK e certificados escolares. O mais demorado foi conseguir o certificado – viva os serviços públicos em Portugal!

Enquanto esperava pelo certificado, fiz uma entrevista para uma empresa de IT, esta que depois me contactou com uma oferta que batia o que o banco me poderia oferecer.

É aqui que vem o ridículo: a maioria das empresas no EUA oferecem uma quantia mínima de dias de férias aos empregados e, no máximo, contribuem com um bocado para o vosso seguro de saúde – uma coisa muito importante, visto que não é um serviço grátis. O banco oferecia-me 5 dias de férias por ano, sim, leram bem, e eu pagaria cerca de $150 por ordenado (ou seja $300, pois pagam de duas em duas semanas) para o meu seguro de saúde.

A empresa de IT oferece-me 180h de férias, bastante mais, e só pago $20 pelo meu seguro de saúde. E, pela primeira vez em muuuuuuuitos anos, tenho um emprego de segunda a sexta – no banco seria rotativo.

Pode parecer-vos estranho estar a entrar numa área que é completamente nova, mas garanto-vos que além dos benefícios óbvios, o meu objectivo é aprender um ramo do IT – o qual já estou a fazer – e, rapidamente, mover-me em direcção a essa mesma área.

Eu sou daquelas pessoas que não gosta de estar estagnada no emprego, por muito confortável que o assento seja, portanto isto é mesmo uma oportunidade de construir uma carreira ao invés de esperar por promoções em bancos.

Continue Reading